Adeus...

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

 

luz Small

 

 O egoísmo da partida é acreditar que as pessoas que nos rodeiam devam estar pra sempre ao nosso ver, sentir e cheirar.

O que dizer as pessoas que não veem, que não cheiram ou àquelas que não sentem, que elas amam menos por não ter esses sentidos?

Creio que não, afinal não há medida para o amor ou para a dor, que nesse misto de emoções se confundem, onde amar realmente é sempre querer o melhor para o próximo, mesmo que ele esteja distante, e a dor é o que nos enche pelo egoísmo dos sentidos burros de nosso corpo, de há querer ali presente em corpo.

Então mesmo que difícil deixemos o egoísmo de lado e apreendamos a ver que o amor e o carinho pela pessoa serão eternos e verdadeiros até mesmo depois que elas se forem e que o caminho que percorremos juntos pode não ter sido tão longo quanto queríamos mais foi o caminho a ser percorrido pela pessoa que nos deixou e nós ainda temos uma estrada, a nossa, à frente, onde a cada instante podemos olhar para cima e lembrar de todos que passaram por nossas vidas sejam por um minuto ou por anos.

Não podemos pedir para que fiquem, não nos cabe conhecer o seu caminho, a sua jornada. Nos cabe agradecer por as ter conhecido e guardar os bons momentos, os ensinamentos que elas nos proporcionaram, por ter tido o privilégio de pegar uma carona na sua caminhada neste mundo.

O importante é sim entender que todos cansamos ao final de uma longa caminhada, e que nada mais gratificante é saber que foi uma linda caminhada, com tudo que ela tem à oferecer, chuvas, buracos, pedras, subidas e descidas e que essa pessoa pode sentar agora o abrigo do sol e descansar, nós ali a deixamos, não para trás e nem à deriva, a deixamos guardadas em nossos corações e pensamentos onde sempre podemos busca-la em nossas memórias com a certeza que nos encontraremos um dia, para abraça-la e contar como foi nosso caminho, essa tem que ser a paz que nos conforta por ficarmos e pôr as ver partir, que vamos nos encontrar novamente.

Nunca será um adeus, e sim um até breve.

 

por João Henrique Dalla Costa